PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO - 17ª SUBSEÇÃO DE SORRISO

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Setembro de 2019 | Ver mais
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 # # # # #

Artigo | mais artigos

Orgulho de ser mulher e advogada

Data: 06/03/2019 16:03

Autor: Daniele Fukui Rebouças*

    imgCom muita luta e engajamento as mulheres cada vez mais conquistam seu espaço na sociedade, como é o caso das advogadas.

    Aqui no estado de Mato Grosso as mulheres representam aproximadamente 48% (quarenta e oito por cento) do número de inscrições na OAB.

    A mulher quando escolhe o direito, em especial a advocacia como profissão, tem dentro de si o senso de justiça enraizado, e dentro deste contexto que muitas foram conhecer mais sobre as leis, e com coragem encarar os desafios que a profissão exige, enfrentando os mais diversos ambientes para fazer valer o que é certo e jamais recuam diante de um desafio.

    Assim é a mulher na sua essência quando ama da maneira mais ampla, tal como a mãe que luta pelos filhos, a mulher advogada sempre com pulso firme luta na busca do direito de todos, muitas vezes se colocando em segundo plano.

    Mulheres advogadas são grandes batalhadoras.

    Hoje a mulher advogada tem o desafio de lutar pelas prerrogativas da profissão, e também contra as barreiras de gênero de sua atividade, eis que no exercício de sua profissão frequenta ambientes hostis, como presídios, cadeias, repartições púbicas e privadas, onde muitas vezes não recebe o respeito e atenção que a profissão exige e merece por direito.

    É evidente o progresso dos direitos das mulheres nos mais diversos campos, tais como da economia, política, direito, e na OAB também contamos atualmente com a presença de várias mulheres ocupando cargos na diretoria.

    Inclusive, neste sentido é oportuno destacar que a Ministra Carmem Lúcia na época em que foi presidente do STF, a mais alta Corte do país, durante um encontro com mulheres enfatizou: “o quadro eventual de termos hoje mulheres chefiando o STF, o CNJ, a Procuradoria-Geral da República (PGR), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e a Advocacia-Geral da União (AGU) não reflete uma equidade no judiciário e nem na sociedade...”

    Ou seja, mesmo vendo cada vez mais mulheres ocupando cargos e posições importantes ainda são poucas, as mulheres devem continuar a luta pelo seu espaço, sair da zona de conforto, ao invés de ficar aguardando convites.

    As barreiras de gênero, como as condições salariais, acesso desigual à educação e a saúde são quebradas diariamente pelo esforço e dedicação de mulheres que se qualificam cada vez mais, superando preconceitos, e como resultado do trabalho árduo tem o respeito na mesma proporção.

    Estas mulheres que se destacam servem de exemplo e incentivo para outras mulheres. Não resta dúvida de que a mulher advogada é dona de uma força interior inexplicável, que permite que ela dê conta de ser a mulher profissional, esposa, mãe, filha, amiga, que luta para quebrar barreiras, diminuir diferenças, extinguir preconceitos, combater discriminações, e não aceita de forma alguma ser preterida, pois tem no seu coração um desejo e compromisso de realizar seus sonhos, lutar pelo seu espaço e pela justiça.

*Daniele Fukui Rebouças é especialista em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Direito Tributário (Ibet), conselheira no Conselho de Contribuintes da Sefaz-MT, conselheira estadual e membro da comissão de Estudos Tributários e Defesa do Contribuinte da OAB-MT.